«Voltar

POR DETRÁS DOS MONTES de Teatro Meridional

 

SOBRE O ESPECTÁCULO

Depois da “viagem” construída em vários lugares do mundo, somos hoje na exacta territorialidade do nosso espaço, estranhos de nós, e percebemos que pouco olhámos para nos ver, pouco sabemos da nossa diversidade identitária. Este espectáculo visa falar de nós, saber de nós, aproximar-nos de uma matriz cultural que, embora comum, sempre esteve por detrás do granito dos Montes e que, sendo naturalmente permeável às exigências do mundo, mantém especificidades muito singulares. Tal como no espectáculo anterior, não tivemos a veleidade de sustentar o trabalho numa recolha de informação antropológica, histórica, narrativa, mas antes deixarmo-nos contaminar por isso tudo e, pela observação sensorial, pelas sonoridades, pela paisagem, pelos sotaques, pela musicalidade, pelos rostos e pelas estórias. Formulámos então, subjectivamente, a forma como fomos tocados pelo Espírito do Lugar. O que escolhemos tornar narrativa cénica, primeiro intuída, e depois encontrada nos corpos e entendimento dos criadores.

Na base da construção do espectáculo, estiveram três residências artísticas de alguns dos elementos da equipa em diferentes momentos do ano (Dez’05, Fev e Ago’06), e duas residências artísticas com todos os criadores do espectáculo (Set e Nov’06). O trabalho artístico e técnico que se desenvolveu, integrou ainda um workshop sobre Marionetas, com o encenador João Paulo Seara Cardoso (Teatro de Marionetas do Porto), e um trabalho de Taiji Qigong, diário e continuado, com Pedro Rodrigues. Como já referenciámos, este espectáculo não utiliza a palavra como veículo principal de comunicação, cabendo nele todos os textos que o espectador crie com as suas palavras e o seu entendimento. Procura ser tão abstracto quanto claro, na sua pluralidade significante e na sua expressão significativa.

Serve-se e constrói-se nos corpos dos actores – aqui múltiplos no serviço da cena, das intenções e dos gestos, da música, da plasticidade do cenário e dos objectos, como que querendo pôr no lugar do palco, a energia guardada no silêncio das pedras. Põem-se e tiram-se as máscaras, para dizermos deste duplo significado que é a possibilidade de sermos mais outro, neste lugar onde o religioso e o profano, a verdade e a mentira, a ausência e o excesso se jogam na vida, tal como nós a jogamos no teatro.   Não tem um tempo diacrónico, antes fragmentado. Mas o espaço da cena é sempre lá, é aí, onde queremos estar, nesta visitação de quem atravessa e olha o lugar dos montes na geografia de quem os habita. Sabemos, porém, que embora queiramos estar e olhar por dentro das coisas, teremos sempre o olhar do visitante, aquele que é estrangeiro ao verdadeiro segredo.

E trabalhar sobre o segredo, como conceito inerente à nossa percepção do lugar, foi uma das linhas condutoras da construção deste espectáculo. Porém, no lugar onde a matéria da intimidade se torna comunicação, queremos reafirmar o privilégio que é sentir, ser e interpretar os sinais de um lugar que é também nossa pertença, na geografia, na história e nos genes.

 

FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA

Criação Teatro Meridional Concepção e Direcção Cénica Miguel Seabra  | Dramaturgia e Assistência Artística Natália Luiza Interpretação Carla Galvão, Carla Maciel, Fernando Mota, Mónica Garnel, Pedro Gil, Pedro Martinez e Romeu Costa |  Espaço Cénico e Figurinos Marta Carreiras | Música Fernando Mota |  Marionetas Eric da Costa | Desenho de Luz Miguel Seabra | Taiji Qigong Pedro Rodrigues | Atelier de Marionetas João Paulo Seara Cardoso | Fotografia de Cena Patrícia Poção e Rui Mateus | Concepção Gráfica e Registo de Vídeo Patrícia Poção | Assistência de Encenação Maria João Machado | Assistência de Cenografia Marco Fonseca | Realização de Figurinos Piedade Antunes e Catarina Santos | Montagem e Operação Técnica Feliciano Branco e Rui Alves | Produção Executiva Cláudia Regina e Alexandra Libânio | Assistência de Produção Jorge Sousa | Itinerância Marco Fonseca |  Direcção de Produção Mónica Almeida | Co-Produção Teatro Meridional, Assoc. Meridional de Cultura, Teatro Municipal de Bragança - Câmara Municipal de Bragança e Teatro Nacional S. João | Agradecimentos Adelaide Marques, Ana Ascensão, Ana Isabel Afonso, Ana Rosa Mendes, Ana Torres, Andreia Damas, António Rodrigues Mourinho (Museu da Terra de Miranda), Carla Gomes, Dinis Machado, Domingos Morais, Emmanuelle Afonso, Eusébio Mota, João Esteves (Ousilhão), Jorge Laurentino // Esc. Sup. Teatro e Cinema, Madalena Vitorino (CPA/CCB), Mário Correia (Centro Música Tradicional Sons da Terra de Sendim), Nuno Pino Custódio, Olga Nunes,  Pedro Sena Nunes, Rita Neves, Tozé Vale (Vinhais) e Vitor Alves

Classificação etária M/12

«Voltar

Newsletter

Desejo receber novidades sobre o Teatro Meridional.