Pessoas

Banner facebook cópia

TORCICOLO

 

SINOPSE

“Torcicolo” de João Silva – Num mundo carregado de interrogações as pessoas movimentam-se na procura de conhecerem o porquê do princípio das coisas.

Somos concebidos. Depois protegidos numa redoma sensível que nos defende de substâncias exteriores nocivas. Atirados para o mundo de fora, aí começa a grande aventura.

O princípio é uma resposta para o que há de vir. As mãos que nos tocam, os lábios que nos beijam ou as palavras que nos entregam, fazem e constroem a segurança do antes da entrega ao planeta.

O medo e o desespero não acontecem por acaso. São doenças que nos são injetadas. O amor e a segurança constroem-se nos momentos mais ínfimos da nossa liberdade.

“TORCICOLO” é o resultado final dramatúrgico de 22 sessões de dinâmica terapêutica e de análise de conteúdos. É metamorfose poética de palavras, emoções e interrogações entregues ao autor.

 

FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA

Texto João Silva | Encenação com direção de Atores João Silva (Responsável área de Teatro) | Assistente de encenação André Carvalho | Assistente de palco António Vicente| Cenografia Rui Francisco | Figurinos Joana Freitas | Desenho de Luz Sérgio Moreira |Área musical temas de David Bowie | Execução Musical Ulrich Mitzlaff (Violoncelo) | Caracterização Carla Pinho |Imagem Artur Moreira |Apoio Gráfico Pedro Meireles |Fotografia de cena Miguel Machado | Confeção de Figurinos Oficina dos Farrapos – São Almeida| Construção e montagem cenográfica JSVC Decor | Produção Joana Freitas e André Carvalho |Interpretação(Eros) Pascoal Barros; (Serpa) António Serpa; (Maria) Olga Varanda; (Verónica) Maria José Santos; (Manuela) Estela Augusto; (Beatriz) Rita Fernandes; (Madaleno) Filipe Maia E Carmo; (Mona) Ana Paula Bastos; (Magda) Ana Ribeiro; (Mário) Bernardo Moreira |Participação em intervenções pontuais de André Carvalho | Terapeuta responsável área de Saúde Mental Isabel Cristina Calheiros | (Dança terapeuta Liliane Viegas | Enfermeira Ana Menoita | Voluntária Tatiana Vaz

 

GRUPO DE TEATRO TERAPÊUTICO (GTT) DIRIGIDO DO HOSPITAL JÚLIO DE MATOS (ATUAL CHPL)

O GTT nasceu em 1968/69, num manicómio em Lisboa – Hospital Júlio de Matos – por vontade de doentes e o apoio de técnicos da saúde mental e de amigos do exterior ligados às Artes.

É um projeto-piloto que aconteceu numa época dramática da História mas que se manteve até à data, apesar das agressões e incompreensões a que tem sido sujeito.

À primeira peça levada à cena, ÓLEO de Eugene O’Neill, em 1968, seguiram-se mais 23 projetos/peça (dois proibidos ou não autorizados). Agora, é a estreia de mais um, TORCICOLO de João Silva.

Os projetos do GTT apresentaram-se em quase todas as salas de espetáculo em Lisboa, mesmo em algumas na província. Fizeram-se também debates, leituras de peças, poesia e muito diálogo com o público.

A linguagem e corpo do GTT está no seu interior físico e humano, mental, que se processa quase diariamente em sessões de trabalho teatro/simbiose/terapia, que resultam num crescimento de grupo, numa entrega a um projeto de teatro/peça – ideias, dramaturgia, encenação – e que resultará no final no ritual das grandes entregas de emoções e partilhas com o publico em geral, aos outros. Portanto, dar e receber

Pelo GTT passaram milhares de pessoas: doentes/atores, artistas e criativos diversos, técnicos da saúde mental, estudantes nacionais e estrangeiros de várias áreas em formação, etc., etc. O GTT é um projeto pioneiro, que se mantém na vanguarda, reconhecido fora das fronteiras mas que nunca lhe foi permitido sair do reduto, porque aprisionado na tacanhez de outros.

Se a época em que o Grupo de Teatro Terapêutico (GTT) Dirigido nasceu era confusa e perigosa para a liberdade do pensamento, decorridas quase cinco décadas, a época em que vive atualmente é confusa e perigosa pelo desconhecimento de muitos sobre o que é a liberdade do pensamento.

JOÃO SILVA |Ator/encenador/dramaturgo, no GTT desde 1968

 

Duração | 100 minutos

Classificação etária | 16 anos

Newsletter

Desejo receber novidades sobre o Teatro Meridional.