O SOM E A FÚRIA

a partir do romance homónimo de William Faulkner

SINOPSE

«O Som e a Fúria» é o segundo espetáculo de uma trilogia que o teatromosca dedica à literatura americana (em 2013 apresentou «Moby Dick» de Herman Melville e em 2015 será a vez de «Meridiano de Sangue» de Cormac McCarthy).

A partir do romance homónimo de William Faulkner (Prémio Nobel da Literatura em 1949), adaptado por Alexandre Sarrazola, «O Som e a Fúria» desfia, através de Benjy (Ruben Chama), Quentin (Filipe Araújo) e Jason (João Cabral), a ruína da família Compson, antigos aristocratas do sul dos Estados Unidos. Cada um deles centra a sua narração na relação (verdadeira ou imaginada) com Caddy, a única filha da família. E é esta viagem pela verdade de cada um dos irmãos, isolados, presos no passado, que nos dá conta da desintegração da família e da sua reputação.

O desafio de trazer à cena este romance passa por trabalhar um texto em que a história não evolui de forma tradicional, em que parece não haver futuro e o presente é sempre um acontecimento passado. E é precisamente esta noção de Tempo que Pedro Alves explora nesta passagem para teatro do romance de William Faulkner.

O espetáculo é uma coprodução com o Quorum Ballet, o Theatro Circo de Braga, o Arte Institute de Nova Iorque e a Embaixada dos EUA, com o financiamento do Governo de Portugal – Secretário de Estado da Cultura/Direção-Geral das Artes, e conta ainda com as interpretações do músico Ruben Jacinto e das bailarinas Catarina Correia, Inês Pedruco e Margarida Costa.

FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA

Texto William Faulkner | Direção artística Pedro Alves | Adaptação Alexandre Sarrazola | Direção de movimento Daniel Cardoso | Interpretação Filipe Araújo, João Cabral e Ruben Chama (atores), Catarina Correia, Margarida Costa e Inês Pedruco (bailarinas) e Ruben Jacinto (músico) | Assistência de direção Mário Trigo e Maria Carneiro | Cenografia Pedro Silva | Figurino Carlos Coxo | Design gráfico Alex Gozblau | Direcção técnica Carlos Arroja | Vídeo Ricardo Reis | Fotografia Catarina Lobo | Assessoria de imprensa e gestão Joaquim René Produção|teatromosca | Coprodução Quorum Ballet, Theatro Circo de Braga, Arte Institute (NY) e Embaixada dos EUA  | Parcerias Festival Les Eurotopiques, Biblioteca da Faculdade de Letras da UL, Biblioteca da Faculdade de Letras da UP, Biblioteca Universidade de Aveiro, Faculdade de Ciência e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa, Teatro Meridional, Câmara dos Ofícios, Teatro Experimental de Cascais, Chão de Oliva  e Teatro Art’Imagem/Festival Fazer a Festa | Financiamento Governo de Portugal | Secretário de Estado da Cultura - DGArtes | Apoios Câmara Municipal de Sintra, 5àSEC, Junta de Freguesia de Agualva - Mira Sintra, Instituto do Emprego e da Formação Profissional, Fundação GDA, Teatro Nacional D. Maria II e Artistas Unidos | Media partners Saloia Tv, Jornal Hardmusica, Gerador e Correio de Sintra

INFORMAÇÕES SOBRE A COMPANHIA/TEXTO/ENCENAÇÃO/OUTROS

William Faulkner

William Faulkner nasceu em 1897 nos Estados Unidos da América. É considerado um dos mais importantes escritores dos EUA. Em 1949, recebeu o Prémio Nobel da Literatura e, posteriormente, ganhou o National Book Award, em 1951, com «Collected Stories» e, em 1955, com o romance «A Fable» (com o qual venceu também um Pulitzer e que lhe seria entregue novamente em 1962, com o seu último romance). Utilizando a técnica do "fluxo de consciência" consagrada por James Joyce, Virginia Woolf, Marcel Proust e Thomas Mann, Faulkner narrou a decadência do sul dos Estados Unidos da América, interiorizando-a nas suas personagens, a maioria delas vivendo situações desesperantes no fictício condado de Yoknapatawpha. A obra “faulkneriana” é tida por muitos como hermética e desafiadora. É autor de «Sartoris» (1929), «The Sound and the Fury» (1929), «As I lay Diyng» (1930), «Sanctuary» (1931), «Light in August» (1932), «Absalom, Absalom!» (1936), «Requiem For A Nun» (1951), entre outros romances e contos.

TEATROMOSCA

O teatromosca é uma companhia de teatro fundada em Sintra em 1999. Produziu nesse ano «Ser Bom», a partir de «Notes From Underground» de Eric Bogosian, com encenação de Paulo Campos dos Reis; em 2001 «Prodigiosas Acrobacias», de Álvaro Figueiredo, com dramaturgia do mesmo autor e encenado por Paulo Campos dos Reis e «O Televisor», de Jaime Rocha, com encenação de Paulo Campos dos Reis (tendo o teatromosca promovido a edição do livro homónimo); em 2002 «DOG ART» a partir de um romance de John Berger, traduzido, adaptado e encenado por Pedro Alves, «Húmus», concebido e interpretado por Paulo Campos dos Reis e João Miguel Rodrigues, a partir do poema homónimo de Herberto Helder e «A Última Gravação de Krapp», de Samuel Beckett, com encenação de Paulo Campos dos Reis; em 2003 «GABBA GABBA HEI», com escrita original de Alex Gozblau e direção artística de João Miguel Rodrigues, «Tristão e o Aspecto da Flor», de Francisco Luís Parreira, coencenação de Francisco Luís Parreira e João Miguel Rodrigues e «KIP», autoria e encenação de Pedro Alves; em 2004  «Querosene (“arde sem se ver”)», com textos de vários autores portugueses, com direção de João Miguel Rodrigues, «Maletas Vicentinas», a partir de Gil Vicente, projecto de e com Sérgio Moura Afonso, Pedro Alves e Rute Lizardo e «Um Rapto em Cintra», de Eça Leal, com encenação de Pedro Alves e João Miguel Rodrigues; em 2005 «.mostra» sobre motivos de Gao Xingjian, com direcção de Maria Gil, «Literaturódromo», projeto de leituras encenadas, «Depois de Julieta», de Sharman Macdonald, com encenação de Ruben Tiago; em 2006 inicia «Literaturinha», ciclo de leituras encenadas de clássicos da literatura infanto-juvenil e produz também «Na Margem da Vida», de Gao Xingjian, com encenação de Maria Gil; em 2008 «Notas de Cozinha de Leonardo da Vinci», coreografia de Diana Alves e «IGNARA», projeto subordinado ao tema Guerra Colonial, que integra três “leituras”; em 2009 «INFA 72», de Fernando Sousa, com encenação de Mário Trigo, «Dor Fantasma», com textos de Manuel Bastos e direcção de Mário Trigo e «Retratinhos», projecto teatral para a infância e juventude; em 2010 «As Três Vidas de Lucie Cabrol», primeiro espectáculo da trilogia «dos seus trabalhos», a partir de texto do escritor inglês John Berger, com direção de Pedro Alves, Prémio Especial do Júri do Festival Les Eurotopiques e um dos dez melhores espetáculos de teatro em Portugal no ano de 2010, segundo o Semanário Expresso; em 2011 «EUROPA», segundo espetáculo da trilogia e novamente encenado por Pedro Alves e«Checoslováquia», de Tiago Patrício, leitura encenada apresentada no Salão Nobre do Teatro Nacional D. Maria II (O teatromosca promoveu a edição deste texto através da editora moscaMORTA, associada à companhia); «Tróia», último espetáculo da trilogia «dos seus trabalhos», a partir de textos do escritor inglês John Berger, encenado por Pedro Alves. Estes dois últimos espetáculos da trilogia foram selecionados como dois dos dez melhores espetáculos de 2011 pelo crítico do Semanário Expresso; Em 2013 «A Paixão do Jovem Werther», a partir do romance homónimo de J.W. Goethe, com direção artística de Mário Trigo, com adaptação de Tiago Patrício e «Moby-Dick», a partir do romance de Herman Melville, iniciando uma trilogia dedicada à literatura norte-americana, que se prolongará até 2015, com direção de Pedro Alves (foi incluído na lista do semanário Expresso dos dez melhores espetáculos de teatro de 2013 em Portugal).

Newsletter

Desejo receber novidades sobre o Teatro Meridional.