Tudo Bem

 

TUDO BEM?

de Jean-Claude Grumberg

 

SINOPSE

Que resposta esperamos quando repetimos a fórmula…? «Não digo…?!» Não, isso iria contra as “regras”. Qual o verdadeiro significado das saudações que trocamos quando o nosso caminho se cruza com o de outros? Porque «para haver um Tudo Bem?, é preciso haver um cruzamento». E isso é «Bom»? De que falamos quando conversamos entre nós? Será que chegamos a «Ouvir» o que dizem? As palavras trocadas revelam ou escondem o nosso (des)interesse pelo que nos rodeia? O que significa viver numa sociedade em que está Tudo Bem?

De uma forma «Absurdamente Certeira», Jean-Claude Grumberg leva-nos por um caminho alimentado a ridículo, que nos faz perguntar se está verdadeiramente Tudo Bem…

 

FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA

Autoria: Jean Claude Grumberg
Tradução e Dramaturgia: Maria João da Rocha Afonso
Encenação: Maria Camões
Interpretação: Diana Nicolau; Gonçalo Carvalho; Luís Barros e Tiago Retrê
Assistência de encenação: David Ferreira
Apoio vocal: Diana Afonso
Apoio ao movimento: Inês Afflalo
Figurinos: Dino Alves
Desenho de Luz: Marco Medeiros
Operação de som: Alexandre Carvalho
Montagem: Palco13
Produção: Nicole Matias
Assistência de produção: Diogo Mesquita
Fotografia: Alfredo Matos
Design Gráfico: Ana Nicolau

 

DURAÇÃO

 1h15min

CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA

 M12

 

 
PALCO13

 

A PALCO13 nasceu em 2010, em Cascais, por iniciativa de um grupo de jovens unidos por uma forma comum de encarar o teatro. Cientes das dificuldades que um novo projecto sempre acarreta, mesmo assim não deixaram de trabalhar para que a companhia percorresse o seu caminho na direcção do que é o objectivo que a anima: criar em Cascais um pólo de interesse para os amantes de teatro, onde possam assistir a espectáculos variados, que os surpreendam, que interroguem o nosso tempo, num diálogo que envolva todos os presentes em cada sessão, actores e público, sem nunca perder de vista que o teatro é, simultaneamente, entretenimento que se deseja acessível e disponível para quantos queiram desfrutar dele.

Não tendo medo de arriscar, a PALCO13 reconhece a necessidade de aperfeiçoamento e pesquisa permanentes, quer em termos pessoais, quer técnicos, e não deixa de procurar alargar horizontes ao trabalho que desenvolve. É dentro desse espírito que, não se fechando sobre si própria, a companhia convida regularmente actores e profissionais de outras artes, como músicos, coreógrafos e figurinistas, que complementem o seu trabalho, num diálogo permanente de crescimento e renovação.

Ao fim destes anos, a PALCO13 pode orgulhar-se de ter apresentado, em média, três espectáculos diferentes por ano e contado com a colaboração de nomes importantes do teatro em Portugal, o que resultou na existência de uma corrente de público que se habituou já a associar o nome da companhia a qualidade e ao desejo de regressar para assistir a mais um trabalho.

Ciente do valor de uma boa programação, a PALCO13 esforça-se por cumprir esse propósito tendo o maior cuidado na escolha de textos e criando oferta para todos os escalões etários, sempre com o objectivo de tornar o teatro parte integrante e prática regular na vida do público que acorre aos seus espectáculos.

 

Newsletter

Desejo receber novidades sobre o Teatro Meridional.