Programação>Acolhimentos

facebook AGORA

 

 

AGORA TAMBÉM SOU ÁGUA

‘DOBRAR - Núcleo Artístico

 

TM ACOLHIMENTO

19 a 23 de Setembro de 2018

quarta a sábado - 21h30 | domingo - 17h

 

SINOPSE

'− Porque há de um homem querer ser água? Não estás bem assim sendo homem, rapaz? Para que queres andar aí a derreter pelas esquinas? Para que serve ter um corpo de água que escorrega entre as coisas? Para que queres tu líquido? Para te fazeres gelo quando está frio? Para te evaporares quando fica quente? Para desparecer? Para ficar ar?
− Isso pai! Para ser nuvem!'

AGORA TAMBÉM SOU ÁGUA convida o espetador a entrar na vida de Inocêncio – um rapaz que cresceu num Bairro marginal. Este é a história do seu percurso para se transformar em água – analogia ao ato de dançar, à sua vontade de ser bailarino, num lugar onde os limites da realidade o parecem afastar desse desejo, e exigir-lhe a construção de uma vida exterior a si mesmo.
Esta é uma narrativa que reflete sobre a luta pela condição humana quando esta se define pelas oportunidades do lugar onde crescemos, mas também sobre as possibilidades de descoberta e aprendizagem que crescem a partir de simples movimentos de empatia.
Motivado pela temática da criação de oportunidades e competências humanas, geradas a partir das práticas artísticas, e pelo trabalho de Formação Artística desenvolvido pelo Ator e Bailarino Rafael Barreto, no Projeto de Integração Social, no CAF (Centro de Artes e Formação) do Bairro da Cruz Vermelha, a criação do espetáculo integrou a participação de Inocêncio Gonçalves – um dos jovens que inserido neste Projeto.

 

FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA

Texto e Encenação: Ana Lázaro | Interpretação: Rafael Barreto | Direção Técnica e Luz: Hugo C. Franco | Intérprete (Filme): Inocêncio Gonçalves | Duração: 50 min. (aprox.) | M/10
UMA CRIAÇÃO: ‘DOBRAR – Núcleo Artístico | APOIOS: Fundação GDA | Te-ato Leiria

ESTREIA
Em Maio de 2016, na 3ª Edição do Festival SINOPSE – Ator João Moital, Leiria. Foi espetáculo de encerramento do Fescénia - 4.ª Mostra de Teatro do INATEL, no Centro Cultural do Cartaxo.
Integrou ainda a Programação dos Festivais:
- PAN – Festival Transfronteiriço de Cultura Portugal -Espanha
Carviçais (2016)
- Festival Aqui há Lumiar – Lisboa (2017)
- Festival MUSCARIUM#3 – Sintra (2017)

 

'DOBRAR - NÚCLEO ARTÍSTICO

A ‘Dobrar foi criada em 2011, com Direção Artística de Ana Lázaro, e Direção Técnica de H. C. Franco (cofundadores), com o objetivo de dinamizar um programa de criação e produção de atividades artísticas e culturais, através da cooperação entre criadores portugueses de diversas áreas disciplinares.
O Núcleo Artístico estreou-se em 2011 com o Espetáculo de Teatro e Música: Por um Dia Claro, da autoria de Ana Lázaro, premiada com o Apoio: Novos encenadores, pela FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN. O espetáculo integrou a programação da FÁBRICA DAS ARTES - CENTRO CULTURAL DE BELÉM., e o FESTIVAL INTERNACIONAL DE ARTES PARA A JUVENTUDE ZIGUZAJG, em Malta (2012), sendo selecionado para integrar o Ciclo de Inclusão para audiências diferenciadas, do Festival. Integrou ainda o FESTIVAL INTERNACIONAL BLACKSEA na cidade de Trabzon, Turquia (2014).
Em 2012 estreia o Espetáculo ORU – dedicado a Instituições escolares e Serviços Educativos, e apresentado em diversas Instituições pelo País.
Em 2013, a Diretora Artística Ana Lázaro recebe uma Bolsa da Comissão Europeia, para integrar em representação da ‘dobrar, o encontro: ARIADNE, em Paris, organizada pela Fundação ELAN INTERCULTUREL - Artes em contextos de Adaptação Social.
Ainda em 2013 os criadores da ‘dobrar foram selecionados pelo Swatch Art Peace Hotel Xangai, para desenvolver o Projeto: SHANGHA.I - FOTOGRAFIA e CONTOS de FIÇÃO, em residência na cidade de Xangai, CHINA. O Projeto integrou a Exposição de Arte Contemporânea: FACES & TRACES em Xangai, e a BIENAL DE VENEZA 2015. O Portfolio Fotográfico de SHANGHA.I foi apresentado no Museu ORIENTE (Festa do Livro) e editado pela REVISTA ORIENTE em 2015. O Conto CORAÇÃO DE PALMO E MEIO, da autoria de Ana Lázaro, criado a partir deste Projeto venceu o PRÉMIO NOVOS TALENTOS FNAC LITERATURA (2014).
O Espetáculo de Teatro e Vídeo: GÔDA, com autoria de Ana Lázaro e Criação Multimédia de Hugo C. Franco, abriu a 19ª Edição do Festival ACASO em Leiria e esteve em cena no TEATRO DA TRINDADE em Lisboa. Em 2015 GÔDA integrou a Programação Oficial do INTERNATIONAL ADANA THEATRE FESTIVAL, e foi apresentado em Istanbul e Adana – Turquia, a convite da REDE DE TEATROS NACIONAIS TURCOS.
No âmbito do seu trabalho de criação Literária a Autora Ana Lázaro edita o Livro para a Infância: “O estranho apetite de Belemundo” com a Porto Editora – Portugal, Editora, desenvolvendo através da ‘dobrar Oficinas na área da Palavra aplicada às Expressões – dedicadas à Infância.
Em 2016 a ‘DOBRAR é premiada com o Apoio à CRIAÇÃO pela FUNDAÇÃO CALOUSTEGUBENKIAN, concedido para o Projeto: CARTAS DE DAMASCO, em cena na Fábrica das Artes – CENTRO CULTURAL DE BELÉM, em 2017.
Em 2017 a ‘DOBRAR realiza um Projeto Multidisciplinar, de Parceria com a Santa Casa da Misericórdia – Irmandade de S. Roque, de formação artística para Crianças; Jovens e Utentes de diversas instituições da Santa Casa; e Apresentação do Auto de Natal – Igreja de São Roque, 2017 – com direção e encenação de Ana Lázaro.

MAIS INFORMAÇÃO: www.dobrar.com

 

 

 

 

Banner facebook

 

 

O MAPA DO MUNDO REINVENTADO

Companhia Cepa Torta

 

TM ACOLHIMENTO

7, 8 e 9 de Setembro de 2018

sexta e sábado - 21h30 | domingo - 17h

 

SINOPSE

Estão todos convidados a fazer uma viagem e a visitar uma cidade muito especial – está no mapa que a agência de viagens oferece. Nas suas ruas ouve-se a música que vem de dentro das casas. Pode-se espreitar pelas janelas e esperar um convite para entrar. São pessoas especiais, um pouco às avessas porque se consegue ver os seus pensamentos. Esta é uma road performance.

 

FICHA ARTÍSTICA e TÉCNICA

Espetáculo: O Mapa do Mundo Reinventado
Tipo: Teatro Comunitário
Encenação: Patrícia Carreira
Interpretação: Comunidade de O Mapa do Mundo Reinventado
Coordenação: Patrícia Carreira
Produção: Luís Matos
Espaço cénico: Comunidade de O Mapa do Mundo Reinventado
Comunicação: Luís Matos
Fotografia de Cena: Sónia Godinho
Duração: 45 mins
Classificação Etária: M/4
Parceiros: Teatro Meridional, Academia Cidadã, Agrupamento de Escolas Luís
António Verney, Aguinenso

 

M/6

 

SOBRE O PROJECTO

O Mapa do Mundo Reinventado é um projeto de intervenção pela arte, financiado pelo programa Bip/Zip, da Câmara Municipal de Lisboa.

As comunidades de Marvila Velha, Lóios, PRODAC e outras zonas da Freguesia de Marvila, usarão ferramentas teatrais e de cidadania, para trabalhar a inclusão e coesão social. Recolher-se-ão materiais identitários para reflectir questões de pertença, aceitação do outro e posicionamento no mundo.

Elaborar-se-ão mapas diferentes, usando as artes performativas, som e video art. Serão apresentados em palcos mais ou menos convencionais - Teatros, salas de aula, lojas de bairro, rua e redes sociais.

Ao longo do projecto, os Mapas criarão um espectáculo, que será apresentado nos dias 7, 8 e 9 de Setembro de 2018, no Teatro Meridional.

São parceiros do projeto a Academia Cidadã, a Associação Meridional de Cultura, a Aguinenso e o Agrupamento de Escolas Luís António Verney.

 

 

COMPANHIA CEPA TORTA

A Companhia Cepa Torta é uma plataforma artística que conta com a colaboração de diferentes profissionais das áreas do teatro e das artes plásticas. A Companhia trabalha na área do teatro e performance desde 1999 e constituiu-se legalmente como associação sem fins lucrativos em 2004. O principal interesse da companhia centra-se nas artes performativas com o trabalho desenvolvido ao longo dos anos em diferentes espaços na área metropolitana de Lisboa.

A Companhia conta com uma equipe artística residente, com um diretor artístico, um produtor e um conjunto de atores. Nos seus 17 anos de existência, a companhia realizou trabalhos no Teatro na Malaposta, Teatro Ibérico, Teatro Taborda, entre outros espaços em Lisboa, mas também fora de portas como por exemplo no Bridewell Theatre em Londres. Com produções de Brecht, Gil Vicente, poetas portugueses e textos próprios, a companhia Cepa Torta produziu ainda espetáculos dirigidos ao público infantil e juvenil com animações teatralizadas bem como leituras encenadas e workshops.

 

PRODUÇÃO

COMPANHIA CEPA TORTA

 

banner fb TM 851x315 A

 

 

O ASSALTO

de Susana Cecílio

 

TM ACOLHIMENTO

21 de Junho a 01 de Julho

quinta a sábado - 22h | domingo - 17h

 

SINOPSE

Num lugar distópico de um futuro não muito distante, há um poeta, coisa rara. (olha a janela) No mesmo lugar senhores cinzentos encarregam-se de roubar o tempo a todos, tornando a cidade produtiva, moderna, eficaz, mas muito pouco feliz. (respira) O tempo da leitura é o único território de resistência e lugar de pensamento que resta. (pausa)

 

FICHA ARTÍSTICA e TÉCNICA

CRIAÇÃO: Susana Cecílio
APOIO À CRIAÇÃO: Samuel Meyler
DRAMATURGIA: Carlos Marques
INTERPRETAÇÃO: Diogo Andrade e Susana Cecílio
DISPOSITIVO CÉNICO: Nuno Borda de Água e Susana Cecílio
DESENHO DE LUZ: Nuno Borda de Água
DESIGN: Susana Malhão
APOIOS: Câmara Municipal de Montemor-o-Novo e Espaço do Tempo

 

PROMOTOR

ALGURES - colectivo de criação

Para mais informação: http://aalgures.wixsite.com/algures

 

 

 

 

Banner 2 Meridional

 

RICARDO II

de William Shakespeare

 

TM ACOLHIMENTO

18 a 29 de Julho

quinta a sábado - 22h | domingo - 17h

 

SINOPSE

O que é o poder? Como se define? Quem o legitima? A quem cabe? O que o segura? Como se deve exercer? Que responsabilidades cabem a quem o detém? E terá aquele sobre quem se exerce alguma palavra a dizer? Até onde deve ir a lealdade ao detentor legítimo do poder, qual é o ponto onde esse dever se quebra sobrepondo-se-lhe o imperativo da revolta, da desobediência? E em que termos será legítima – ou legitimável – a usurpação violenta desse poder?

Todas estas – e muitas mais – questões atravessaram os séculos e acompanharam os homens desde que as sociedades se organizaram em estruturas hierarquizadas. Há quatrocentos anos, Shakespeare levou-as mais uma vez à cena, segundo os padrões de pensamento da sua época, dando-lhes corpo na figura de Ricardo II. Hoje, levantamos as mesmas perguntas, confrontamo-nos com as mesmas questões. À nossa maneira, com a nossa forma de ver. Shakespeare legou-nos um edifício, cabe-nos agora ocupá-lo com aquilo que somos, com a forma como nós, PALCO13, vemos o mundo nos dias que vivemos. Shakespeare deu-nos as fundações, a base: cabe-nos agora construir sobre ela… Em 2018.

 

FICHA ARTÍSTICA e TÉCNICA

TEXTO: William Shakespeare

ENCENAÇÃO: Marco Medeiros
VERSÃO E DRAMATURGIA: Maria João da Rocha Afonso
ASSISTENTE DE ENCENAÇÃO: David Ferreira, Gláucia Noémi

INTERPRETAÇÃO: Cátia Ribeiro, Gonçalo Carvalho, João Craveiro, João Vicente, Lúcia Moniz, Luís Lobão, Rita Tristão da Silva, Tiago Retrê e Romeu Vala

OPERAÇÃO TÉCNICA: João Cruz, Ricardo Sousa
DESENHO DE SOM: João Cruz
DESENHO DE LUZ: Marco Medeiros

ESGRIMA: Mestre Eugénio Roque
APOIO CORPORAL: Bruno Cochat
FIGURINOS: Leonor Biscaia, Maria Camões
CENOGRAFIA: PALCO13

PRODUÇÃO: Catarina Couto Sousa, Gláucia Noémi
DIRECÇÃO DE MONTAGEM: Ricardo Sousa
FOTOGRAFIA: Alfredo Matos
DESIGN GRÁFICO: Alexandre Carvalho

DIRECÇÃO ARTÍSTICA: Marco Medeiros

M/12

1h20 min (com intervalo)

 

PRODUÇÃO

PALCO 13

Para mais informaçãoPALCO 13

 

 

 

banner FB sem local

 

COMPOTA. improvisação multidisciplinar

criatividade e colaboração

(dança + música + vídeo + palavra + desenho)

 

TM ACOLHIMENTO

 

Espectáculos

8 de JUNHO | Sexta 22:00

9 de JUNHO | Sáb 17:00 e 22:00

 

FICHA ARTÍSTICA

Paula Pinto . coordenação artística
João Cunha . orientação pedagógica
Bárbara Simões da Hora . vídeo e fotografia
Isabel Peres . figurinos
Intérpretes: Ana Branquinho, Ângelo Cid Neto, Fernando Chainço, Ileana Brancoveanu, Inês Coimbra, Joana Carvalho, Joana Simões, Luís Martinez, Victor Hugo Afonso e Vitor Martins (movimento e voz) | Luís Fernandes (ambientes sonoros) Miguel Mira (violoncelo e desenho) | Daniel Rondulha e Carlotta Premazzi (criação vídeo)

 

SINOPSE

Compota do inglês “Jam”, termo originário da cultura do Jazz que designa a improvisação colectiva de músicos, é um projecto independente que, desde 2004, reúne interpretes e criadores de diferentes disciplinas em sessões de pesquisa e criação, formação e espectáculos.
A partir de 2012 surgem as Residências de criação oferecendo a diferentes equipas a oportunidade de trabalhar colaborativamente para a criação de espectáculos originais em apenas cinco dias, utilizando a improvisação e a composição estruturada.

A Residência Compota no Teatro Meridional inspira-se em Agostinho da Silva (1906-1994), filósofo, poeta e ensaísta, um dos mais importantes intelectuais portugueses do século XX, e reúne artistas profissionais com alunos da Licenciatura em Dança da Escola Superior de Dança (IPL).

 

DURAÇÃO

60 min

CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA

M/6

 

PROMOTOR
A sentidosilimitados é uma associação sem fins lucrativos com actividade regular nos domínios da formação artística, da programação cultural e da inclusão social pela arte. Visa promover o desenvolvimento humano e a consolidação das comunidades através da experimentação artística.

Mais informações em www.compota.pt

 

Newsletter

Desejo receber novidades sobre o Teatro Meridional.
Ao subscrever a newsletter do Teatro Meridional, está a dar-nos permissão para o tratamento dos seus dados de acordo com o Regulamento Geral da Proteção de Dados. A AMC garante que os dados se destinam exclusivamente para a divulgação e promoção da sua actividade e programação. Para mais informação sobre a nossa política de privacidade, carregue aqui