«Voltar

CLOUN CREOLUS DEI de Teatro Meridional

 

SINOPSE

Primeiro foi o desejo de trabalhar a técnica e o espírito de um personagem tão antigo como o Clown - termo que designa hoje em dia o palhaço saído do circo para o teatro. Mas à nossa maneira. Na verdade, foi descobrir o que de clown havia na nossa própria forma de trabalhar: descobrir o nosso clown. E aquele desejo parecia-nos lógico, porque é esse o projecto do Teatro Meridional: apreender e investigar as raízes do teatro mediterrâneo, começando pela comédia. E não encontramos nas mais antigas manifestações da comédia ocidental o gérmen do que hoje é o clown? Depois foi darmo-nos conta da relação tão especial que este palhaço tinha com a autoridade, qualquer que fosse a forma por esta adoptada. Interessante. Mais tarde, claro, veio a inspiração. Sob a forma de Deus. Mas não no sentido mais profundo e religioso do termo - o qual respeitamos ou partilhamos sinceramente - senão sob os outros aspectos que lhe são atribuídos: de autoridade, de rituais hoje sem sentido, de encarnação de super-estruturas sociais com as quais o indivíduo - e não nos referimos já ao clown - está desde sempre em perpétuo conflito. Do "tratamento", realizado de forma bastante clownesca, de todos estes elementos e de alguns mais, surgiu este espectáculo. E talvez, partindo dessa ingenuidade, não haja demasiadas diferenças entre dizer monges benditos ou cordeiros de Deus, e dizer Clowns de Deus. E assim, aqui está: CLOUN DEI. "Cloun Dei" é um espectáculo - exorcismo teatral baseado na ironia, humor e ternura próprios da personagem do clown, contra a ideia de pecado tal como nos é imposta na cultura ocidental. É um afrontamento a toda a série de - intermináveis e incompreensíveis - proibições com que as sociedades se encarregam de "socializar" os seus indivíduos. Partindo da essência da personagem do clown, o Teatro Meridional propõe uma reflexão sobre concepções tão universais como a autoridade, a religião e o absurdo.

 

FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA

Actores Alvaro Lavín, Julio Salvatierra, Oscar Sánchez e Miguel Seabra | Desenho de Figurinos Jorge Perez Realização de Figurinos Rosa Carrascosa Apoio Musical José Pedro Caiado Apoio Vocal Siân Thomas Desenho Gráfico Miguel Salvatierra Fotografia e Vídeo Pedro Sena Nunes Produção Executiva España - Pepa Pedroche e Portugal - Rui Calapez Técnico Luzes e Som César Linares Assistente de encenação Stefano Filippi Desenho de Luzes e Encenação Teatro Meridional Agradecimentos Miguel Rebelo, César Sanchez, Esc. Sup. de Teatro e Cinema de Lisboa, Eric de Bont e Carmen y Chispo

«Voltar

Newsletter

Desejo receber novidades sobre o Teatro Meridional.